Festival Luso Espanhol de Folclore de Arcozelo

Sábado, 22 Julho 2017 (21h30m)
Alameda D. Manuel I (Arcozelo - V. N. Gaia)

Programa
16h00mChegada dos Grupos
17h30mRecepção Oficial com Entrega de Lembranças aos Grupos convidados, nas Instalações da Junta de Freguesia de Arcozelo
21h00mPequeno Desfile e apresentação dos Grupos Folclóricos participantes no Festival
21h30mInício do Festival
As Lavradeiras de Arcozelo - Santa Maria Adelaide
Grupo proveniente das Terras da Feira ou Santa Maria. Terra rica em Rusgas e Romarias, como eram as Romarias ao Senhor da Pedra e Senhora da Saúde dos Carvalhos. “As Lavradeiras” tendo recolhido nas mais antigas e representativas Casas de lavoura da Freguesia, o que de mais vasto e genuíno se dançava, propõem-se preservar e divulgar um Espólio Cultural, Etnográfico e Folclórico Vivo, muito rico.
Assim, observa-se neste Grupo de “arcus cellus” (Arcozelo) uma diversidade de forma e colorido, traduzida nas múltiplas atividades e finalidades dos mesmos. Quer nas Romarias, quer nas noites quentes de Verão, ao luar e nas eiras cantava-se e dançava-se: Os Viras, a Tirana, o Regadinho, a Pastorinha, o Farracatinho, o Verdegar, o Malhão e a Cana Real das Canas.
Momentos de Glória, foram sem dúvida as 3 Receções Oficiais no Vaticano por Sua Santidade, o Papa João Paulo II. Foi este Grupo Honrosamente selecionado, pelo Ministério da Cultura, para integrar as Cerimónias de Encerramento da Expo 98. Representou também, Oficialmente Gaia, na EXPO HANNOVER 2000.
Foi também este Grupo, o pioneiro em Portugal, na realização de Festivais Mundiais de Folclore. Trata-se de um dos mais Internacionais Grupos Portugueses; pois que, já se fez representar em 21 Países.
No ano de 2009, Sua Excia. o Sr. Primeiro Ministro, Eng.º JOSÉ SÓCRATES galardoou esta Associação com o Título de INSTITUIÇÃO de UTILIDADE PÚBLICA, atendendo aos relevantes trabalhos desenvolvidos dentro da área Cultural.
Numa pequena e modesta Capela, repousa a Venerada Santa Maria Adelaide, Padroeira deste Grupo, fonte de inspiração do seu Nome, ponto de referência e visita desta Nobre e Simpática Vila de Arcozelo.
Grupo Etnográfico das “Terras” da Tábua (Tábua)
O Grupo Etnográfico das “Terras” de Tábua pertence ao distrito de Coimbra e insere-se na Província da Beira Alta Serrana Interior - Serra da Estrela.
Tábua é sede de concelho e desenvolve-se nas margens dos rios Mondego e Alva. A Pedra da Sé, o imponente penedo granítico que saúda os visitantes do concelho, debruça-se sobre o Mondego nas margens do qual, em tempos idos, e antes da construção da Barragem da Aguieira, existiram moinhos, casas, grutas e férteis terras de cultivo.
É nesta terra que, em 21 de Outubro de 1979, nasce o Grupo Etnográfico “Terras” de Tábua. O Grupo é, actualmente, constituído por quarenta e cinco elementos e tem sido, ao longo dos anos, um embaixador dos valores folclóricos e etnográficos da vila e da região em que se insere.
As danças e os cantares que compõem o seu repertório mostram como se dançava e cantava no final do século XIX, princípio do século XX. Predominavam as modas de roda; eram dançadas nos bailes populares, nas fogueiras de S. João e de S. Pedro, nas romarias, nas descamisadas, nas fainas agrícolas, entre outros.
A autenticidade do seu folclore permitiu a sua integração, como membro efectivo da FEDERAÇÃO DO FOLCLORE PORTUGUÊS, e como membro da AFERM, encontrando-se também filiado no INATEL.
Rusga Tipica da Correlhã (Ponte de Lima)
A Correlhã é uma das 51 freguesias que compõem o Concelho de Ponte de Lima e localiza-se na margem esquerda do rio Lima, confinando com a Vila Limiana.
A Rusga Tipica da Correlha (integrante na Associação Cultural e Recreativa Corneliana) foi fundada oficialmente em 2003.
É membro da Associação de Folclore de Ponte de Ponte de Lima e sócia aderente da Federação do Folclore Português.
As suas danças e cantares retratam o quotidiano da vida do campo, das festas e romarias da Correlhã e do Concelho de Ponte de Lima.
Tem no seu historial diversas participações em Festivais em Espanha, R. Checa, Alemanha, Suiça. Conta também com exibições na televisão.
Em 2016, participou no International Competition and Folklore, Dance and Music Festival RIMINI FEST – Itália, onde foi vencedora absoluta do festival (1º Prémio).
Em relação ao traje, o Grupo utiliza o traje característico da região em que a Rusga se insere, isto é, Viana do Castelo e a Correlhã. De qualquer forma alguns elementos da Rusga usam peças originais, sobretudo alguns lenços de cabeça que possuem idades superiores a cinquenta anos e, alguns, 100 anos.
De salientar que os trajes da Rusga são confecionados por bordadeiras e tecedeiras da Correlhã e de Cardielos, que ainda hoje se dedicam a essa atividade artesanal.
Grupo Folclórico da Corredoura (Guimarães)
Corredoura, localidade da Vila de S.Torcato, a Norte e a 6 Km da Cidade de Guimarães, terra de grandes tradições culturais e religiosas marcada ainda por uma forte componente agrícola, onde se pode observar com rara beleza os campos e as searas do milho, linho e centeio, é também um dos pólos de maior desenvolvimento sócio/cultural da região e participada por um enorme movimento associativo.
Tendo como finalidade a ocupação dos tempos livres do povo da sua terra, o gosto pelo canto, dança e música, foi fundado no dia 1 de Março do ano de 1956 o Grupo Folclórico da Corredoura, que desde logo desenvolveu um verdadeiro trabalho de pesquisa e de recolha dos usos costumes e tradições do seu povo e da sua terra.
Os seus trajos representativos de fins do século XVIII princípios do Século XIX, são considerados os mais puros, genuínos e autênticos da sua região, tendo conquistado diversos prémios e várias distinções.
Conscientes do valor riquíssimo do património que possuímos, celebramos um protocolo com o Museu Alberto Sampaio, para depósito de um conjunto de peças de elevado valor, até que possam ser expostas no museu do Grupo que estamos a organizar.
Actuou em todos os grandes festivais de folclore que se organizam de Norte a Sul do País, e nas Ilhas da Madeira e Açores, e são várias as deslocações ao estrangeiro, Espanha, França, Itália, Alemanha, Áustria, Hungria, Sicília e na Coreia do Sul em 2012, onde representou Portugal no FOLKLORIADA no maior Festival do Mundo Organizado pela CIOFF.
É sócio fundador da Federação do Folclore Português, da Associação CIOFF Portugal e é filiado no Inatel.
Têm 6 discos gravados, 4 cassetes 5 Cd,s e actuou diversas vezes para canais de Televisão Portugueses e Estrangeiros.
Organiza todos os anos o Linhal da Corredoura (Festa do Linho), única na região considerada uma das mais expressivas manifestações Etno-folclóricas de toda a região Norte do País.
O Grupo Folclórico da Corredoura,,é aquele que mais tem contribuído, para a afirmação das nossas tradições locais, que melhor tem sabido representar os valores fundamentais da nossa cultura popular, que mais trabalho tem desenvolvido na preservação do património cultural da sua região.
Como reconhecimento ao enorme contributo que o Grupo Folclórico da Corredoura têm prestado à cultura de matriz popular da sua região, foi condecorado com a Medalha em Prata de Mérito Associativo pela Câmara Municipal de Guimarães em 2006, a Medalha da Vila pela junta de Freguesia da Vila de São Torcato em 2013 e foi também o primeiro Grupo Folclórico da sua região, a quem foi atribuído o Estatuto de Colectividade de Utilidade Pública, feito que muito honra e prestigia o Grupo.
Associação Cultural Buxainas (Corunha - Espanha)
A Associação Cultural Buxainas nasceu em 1994, em Cedeira (Corunha - Espanha).
Tem como objectivo conservar e divulgar a música e as danças tradicionais galegas. Actualmente, é constituido por uma secção de dança, outra de canto e pandeireta tradicional, gaita e percussão. Desta forma, surgem os grupos de dança, de cantareitas e de gaita de foles.
Está organizada em varios grupos, segundo a idade das crianças, a partir dos 3 anos.
A Associação Cultural Buxainas organiza em cada ano dois Festivais: Festival de Música e Dança Tradicionais (nos meses de julho-agosto) e o Festival de Folclore de Inverno (nos meses de novembro- dezembro). Nestes festivais participam grupos que representam a cultura e a tradição musical de diferentes lugares do panorama nacional e internacional. Além disto, realiza actuações e participa em Festivais de Folclore tanto na Península Ibérica como no estrangeiro. Também nas festas e romarias de Cedeira e comarca e múltiplos eventos culturais de diversos tipos.
No ano 2014 abriu o espectáculo audiovisual “Aires de la Habana”.
Presidente Câmara Municipal V. N. Gaia (Dr. Eduardo Rodrigues)
Mensagem do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia por ocasião do Festival Internacional de Folclore organizado pela Associação Juvenil Etno-Folclórica “As Lavradeiras de Arcozelo - Santa Maria Adelaide”, Instituição de Utilidade Pública.

O Festival Internacional de Folclore, promovido pela Associação Juvenil Etno-Folclórica “As Lavradeiras de Arcozelo” de Santa Maria Adelaide é, inequivocamente, um exemplo de sucesso e um modelo a destacar no folclore gaiense.
Um festival que, todos os anos, contribui para a elevação do folclore e da etnografia, enquanto manifestação intercultural e de celebração da identidade dos grupos que nele participam.
Um festival que é a imagem dos seus mentores: um grupo de gente dedicada e competente que afincadamente desenvolve um trabalho digno de realce e de enorme devoção às tradições, à etnografia e à cultura. Por esse motivo gostaríamos de felicitar “As Lavradeiras de Arcozelo - Santa Maria Adelaide”, e todos aqueles que contribuem, de forma direta e indireta para esta enorme manifestação cultural.

Bem hajam!
O Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia,
Dr. Eduardo Vítor Rodrigues.
Vice Presidente Câmara Municipal V. N. Gaia (Engº Patrocínio Azevedo)
A Associação Juvenil Etno-Folclórica “As Lavradeiras de Arcozelo - Santa Maria Adelaide” é uma Instituição de reconhecido valor, referência do Folclore Gaiense e do Folclore Português que se destaca como uma das mais icónicas instituições culturais de Vila Nova de Gaia. Com um historial de grande sucesso na organização de eventos que elevam a grandeza desta arte que nos transporta para as vivências mais genuínas da identidade das gentes deste concelho.
Este Festival é símbolo de entendimento e confraternização entre os povos, o que lhe confere um carisma singular, porque é na união e na fraternidade que conseguimos devolver às comunidades dos nossos dias os valores essenciais para a construção de um futuro sustentável e promissor.
Felicito a instituição e todos os que de alguma forma estiveram envolvidos na organização deste evento que será seguramente de grande destaque para o município de Vila Nova de Gaia e para o Folclore Português.
Bem Hajam e continuem com este grandioso projeto de dedicação aos valores culturais etno-folclóricos deste concelho.

O Vice-Presidente da Câmara
Engº Patrocínio Azevedo
Vereador da Cultura da Câmara Municipal V. N. Gaia (Dr. Delfim de Sousa)
AS LAVRADEIRAS DE ARCOZELO HONRAM A TRADIÇÃO!

Felicitamos a realização do Festival Internacional de Folclore 2017 da Associação Juvenil Etno-Folclórica “As Lavradeiras de Arcozelo – Santa Maria Adelaide”.
A arte folclorística desenvolvida pelas “Lavradeiras de Arcozelo” merece o reconhecimento do Município de Vila Nova de Gaia pelo valor da recolha do seu cancioneiro, das danças que representa e pelas marcas antropológicas e etnográficas dos seus trajes que manifestam a expressividade da marcha quotidiana e identitária do povo de Arcozelo de tempos que, por serem longínquos, se tornam próximos pelas remembranças que deles fazemos.
Os tempos presentes rasgam fronteiras com esses outros tempos idos e circuitos existenciais que formam a memória colectiva de um povo na afirmação dos valores e princípios que constituem a sociedade que somos. Daí, defendermos a importância do folclore, pois a manifestação folclorística é espaço de humanidade intercultural que expressa a ligação do povo ao local/à raiz que lhe deu identidade social de pertença geográfica e política.
Nesse sentido, considerarmos as expressividades folclorísticas de uma beleza inigualável, traduzidas pela língua que se revela na alma da poesia, pela música que traduz o virtuosismo das vivências quotidianas, pela dança que espelha movimento na alegria e na sensualidade do encontro humano e pelos trajes desenhados na cor e na textura dos tecidos trabalhados pelo sangue suor e lágrimas dos sacrifícios passados e pelos sorrisos dos dias festivos de sempre.
O folclore contribui para a construção mundial da paz entre os povos. Ou seja, um local de encontro de culturas e de pertença do mesmo universo de vontade pela criação de uma sociedade comum, justa e solidária, e de respeito pelas diferenças culturais que são a única semente de esperança possível para a espiritualidade do amor sem fronteiras.
Endereço a todos os elementos do Rancho “Lavradeiras de Arcozelo” o meu agradecimento pelo trabalho empreendido em prol da cultura em Vila Nova de Gaia. Na pessoa do seu Presidente, Dr. Marcelino Santos, a minha gratidão pela amabilidade do diálogo partilhado em unidade e do objectivo comum numa intervenção cultural que se espelhou na resposta sempre positiva aos apelos do Município de Gaia.
Aos Ranchos que nos visitam o nosso acolhimento de amizade e de responsabilidade de Ser Vila Nova de Gaia, um concelho de tradições bem firmadas onde a natureza de mar e rio, do nosso património cultural e artístico, são a sala de visitas para vos receber hoje e sempre.
Desejo votos de sucessos para o Festival e muitas felicidades para o Rancho “Lavradeiras de Arcozelo”.

Dr. Delfim Sousa
(Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia)
Presidente da Junta Freguesia de Arcozelo (Dr. Nuno Chaves)
“Como nada entenderam do passado, nada podem sonhar para o futuro”
Agostinho da Silva “citações e Pensamentos”

É com sincero orgulho e profundo reconhecimento que, mais uma vez, nos associamos desta humilde forma a mais uma organização da Associação Juvenil e Etno-folclórica as Lavradeiras de Sta. Maria Adelaide.
O nosso orgulho assenta na habitual qualidade cultural deste Festival que, ao longo dos anos e num percurso irrepreensível, transforma a nossa freguesia num palco de musica, luz, cor e expressão cénica, que deixa todos os Arcozelenses imbuídos num espírito de alegria e festa.
O nosso reconhecimento, alicerça-se na tradicional capacidade de organização e dinâmica empreendedora, que este grupo nos transmite neste evento, onde com sabedoria divulga as tradições etno-folcloricas de diversas regiões do País, que fundaram a matriz cultural de Portugal.
E na verdade, como ensina o Mestre Agostinho da Silva, para se sonhar para o futuro é essencial entender o nosso passado.
E é com iniciativas como este Festival que podemos ver e constatar a valia do nosso passado rico de tradição e ganhar coragem para podermos sonhar com um futuro melhor, mais justo e com mais qualidade de vida.
Por tudo isto, à Direção das “Lavradeiras” organizadora deste festival, como Arcozelense e como Autarca, só posso demonstrar gratidão e desejar o habitual sucesso.

O Presidente da Junta de Freguesia de Arcozelo
(Nuno Castro Chaves, Dr)
Presidente da Direcção As Lavradeiras de Arcozelo (Dr. Marcelino Santos)
“FESTIVAL LUSO ESPANHOL da VILA de ARCOZELO”

Recordando e citando CHAPLIN:
“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos”

E assim são as Lavradeiras de Santa Maria Adelaide, sem ensaios ou experiências inúteis, mas com pressupostos e fundamentos, assentes no Trabalho, sempre e sempre !!!.
Uma escolha criteriosa das Pessoas certas, para um Projecto pensado, rigoroso, metódico e determinado.
Nesse Projecto abrangente, todos se envolvem em torno de um Tema Global “As LAVRADEIRAS”.
Esquecem-se critérios de projecção Pessoal, ou tentativas de iluminismo egocêntricos. Há espaço para a dança, para os cantares, para o riso e satisfação pessoal do contributo com que cada um, empresta, para um Trabalho global.
Há choro, de comoção, pela envolvência, que cada um empresta, após se obter os êxitos pretendidos. Há cumplicidade entre todos, para o bem e para o mal, para o trabalho e para o lazer !!! Contudo a cada dia que passa, partimos sempre do zero, renova - se sempre a vontade de representar os mais genuínos costumes ETNOGRÁFICOS, FOLCLÓRICOS, GASTRONÓMICOS, SOCIAIS e RELIGIOSOS das Terras de S. MIGUEL e SANTA MARIA ADELAIDE de Arcozelo.
É uma grande Honra, mas também, uma enorme responsabilidade, saber que fomos, somos e quem sabe, seremos sempre, o veiculo transmissor da Identidade Cultural das nossa Gentes !!!
As LAVRADEIRAS, perpetuaram em vinte e um Países, dispersos por toda a Europa, o Bom Nome de Arcozelo. Em cada um desses Países, há sempre algures, uma Vitrina, um Espaço reservado, onde se pode observar e se encontra exposto, um Espigueiro, um Galhardete, uma Fita, um Livro, uma Fotografia. Enfim, um sinal de que Arcozelo e as suas Gentes, através de “LAVRADEIRAS de SANTA MARIA ADELAIDE” por la passaram!!! deixaram a sua Marca de Presença, a sua Identidade, a sua Simpatia e a sua Alegria contagiante, transmitida através dos seus cantares e danças a pé descalço.!!!
Mais um Certame, realizado a 22 de julho de 2017, que vai ficar para a Historia de Arcozelo, da nossa Terra e das nossas Gentes !!!
As LAVRADEIRAS de SANTA MARIA DELAIDE, vão ficar sempre ligadas, à História de Arcozelo, como o exponente Marco Cultural de “ARCUS CELLUS”

Viva a Instituição AS LAVRADEIRAS e a sua Terra ARCOZELO !!!
Honra a SANTA MARIA ADELAIDE, Madrinha das Lavradeiras, Referência Religiosa Mundial, Fonte de inspiração de seu Nome. Santinha Milagrosa acompanhe sempre, o seu Grupo !!!

Dr. Marcelino Santos
(Presidente da Direcção)
Apoios
Câmara Municipal de V. N. Gaia
Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de V. N. Gaia
Junta de Freguesia de Arcozelo
Bombeiros Voluntários da Aguda
GNR (Guarda Nacional Republicana) de Arcozelo
Agradecimentos
Câmara Municipal de V. N. Gaia
Junta de Freguesia de Arcozelo
Bombeiros Voluntários da Aguda
Ao comando da GNR de Arcozelo
A todos os Patrocinadores
A todos os Membros, Sócios, Amigos e Simpatizantes do Grupo
Reportagem (via Jornal/TV Terras de Gaia)