Festival de Folclore de Arcozelo

Sábado, 7 Julho 2018 (21h30m)
Alameda D. Manuel I (Arcozelo - V. N. Gaia)

Programa
16h00mChegada dos Grupos
17h30mRecepção Oficial com Entrega de Lembranças aos Grupos convidados, nas Instalações da Junta de Freguesia de Arcozelo
21h00mPequeno Desfile e apresentação dos Grupos Folclóricos participantes no Festival
21h30mInício do Festival
As Lavradeiras de Arcozelo - Santa Maria Adelaide
Grupo proveniente das Terras da Feira ou Santa Maria. Terra rica em Rusgas e Romarias, como eram as Romarias ao Senhor da Pedra e Senhora da Saúde dos Carvalhos. “As Lavradeiras” tendo recolhido nas mais antigas e representativas Casas de lavoura da Freguesia, o que de mais vasto e genuíno se dançava, propõem-se preservar e divulgar um Espólio Cultural, Etnográfico e Folclórico Vivo, muito rico.
Assim, observa-se neste Grupo de “arcus cellus” (Arcozelo) uma diversidade de forma e colorido, traduzida nas múltiplas atividades e finalidades dos mesmos. Quer nas Romarias, quer nas noites quentes de Verão, ao luar e nas eiras cantava-se e dançava-se: Os Viras, a Tirana, o Regadinho, a Pastorinha, o Farracatinho, o Verdegar, o Malhão e a Cana Real das Canas.
Momentos de Glória, foram sem dúvida as 3 Receções Oficiais no Vaticano por Sua Santidade, o Papa João Paulo II. Foi este Grupo Honrosamente selecionado, pelo Ministério da Cultura, para integrar as Cerimónias de Encerramento da Expo 98. Representou também, Oficialmente Gaia, na EXPO HANNOVER 2000.
Foi também este Grupo, o pioneiro em Portugal, na realização de Festivais Mundiais de Folclore. Trata-se de um dos mais Internacionais Grupos Portugueses; pois que, já se fez representar em 21 Países.
No ano de 2009, Sua Excia. o Sr. Primeiro Ministro, Eng.º JOSÉ SÓCRATES galardoou esta Associação com o Título de INSTITUIÇÃO de UTILIDADE PÚBLICA, atendendo aos relevantes trabalhos desenvolvidos dentro da área Cultural.
Numa pequena e modesta Capela, repousa a Venerada Santa Maria Adelaide, Padroeira deste Grupo, fonte de inspiração do seu Nome, ponto de referência e visita desta Nobre e Simpática Vila de Arcozelo.
Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez (Lisboa)
O Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez foi fundado em 1986, e desde então tem centrado a sua existência na divulgação do folclore da sua terra. Mas, tem sido nos últimos anos que este Rancho Folclórico tem aprofundado o seu rigor histórico no que aos usos e costumes rurais e populares diz respeito, com informações solidificadas nas recolhas feitas na sua região, Arcos de Valdevez.
Com base nestas recolhas, pode hoje apresentar os mais diversos e fidedignos trajes que na segunda metade do século 19 e primeiros anos do século 20 poderíamos encontrar na sua região, como é o caso de um largo número de trajes ditos “de trabalho”, os trajes de festa predominantes em romarias, os trajes de encosta e ainda uma pequena representação do vestuário que as crianças usavam na época.
Também, em termos musicais, tem havido a preocupação constante de representar o mais fielmente possível as danças e os cantares da região, apresentando nos seus espetáculos modas como a Cana Verde dos Arcos, o Vira Velho, a Chula dos Arcos, O Linho, a Chula Batida, o Salto de Soajo, o “S” de Soajo ou a Cana Verde Trespassada.
O principal quadro apresentado nos espetáculos é o da típica Romaria, onde está bem patente o convívio que se vivia em dias de festa entre homens, mulheres e crianças, com as suas merendas, jogos e brincadeiras. Hoje em dia, o Rancho Folclórico da Casa do Concelho de Arcos de Valdevez pode apresentar um espetáculo etnograficamente mais fiel à realidade da sua região na referida época, tentando aproximar-se sempre mais dos usos e costumes do povo de Arcos de Valdevez.
Rancho Folclórico de Vila Nova de Tazem (Gouveia - Serra da Estrela)
O Rancho Folclórico de Vila Nova de Tazem foi fundado a 2 de agosto de 1992.Tem por objetivos recolher, preservar e divulgar os usos e costumes da região em que se insere, Beira Alta, Serra da Estrela.
O reportório que apresenta é fruto das imensas recolhas, efetuadas junto de pessoas mais idosas da freguesia e nesse seguimento, a reprodução dos trajes, entre o Séc. XIX e princípios do Séc. XX, destacam-se os trajes de Noivos, Vindimadeiros, Pisadores de Uvas, Tombadores de Dornas, Ceifeiros, Queijeira, Pastor, Romeiros, Lavrador Abastado, Traje de Rico e outros.
As danças (essencialmente modas de roda), e cantares,são simples e alegres; modas de trabalho relacionadas com as vindimas, as ceifas, as malhas, as regas, as romarias e domingueiras.
Participa em Festivais, Festas e Romarias de Norte a Sul do País. Organiza anualmente eventos de carater cultural, como o Festival de Folclore, Cantares de Janeiras, Jogos Tradicionais e outros.
Este Rancho é sócio do INATEL e é também sócio efetivo da Federação de Folclore Português.
É constituído por cerca de 40 elementos.
Grupo Folclórico de S. Torcato (Guimarães)
O Grupo Folclórico de S. Torcato foi fundado em 1957.
É sócio fundador da Federação do Folclore Português.
Representa as danças e cantares da região a que pertence.
Nos seus trajes destacam-se os de Luxo, de ir á Feira, de Leiteira, do Peditório e os de Trabalho.
É organizador de um dos mais conceituados Festivais Folclóricos do país, o Festival Internacional de Folclore de S. Torcato, que se realiza no 3º fim-de-semana de Julho de cada ano.
Possui alguns dos mais valiosos prémios conquistados em concursos de folclore. Destes destacam-se a Taça das Taças, conquistada em 1967 no pavilhão dos desportos de Lisboa, num concurso a nível nacional, assim como o Golfinho de Ouro, conquistado em Matosinhos.
Em 2007 foi distinguido pela Junta de Freguesia da Vila de S. Torcato com a Medalha de Mérito Associativo em Bronze.
Com as suas actuações tem levado o folclore e o nome de S. Torcato e Guimarães aos mais diversos pontos do país, incluindo a ilha da Madeira e Açores.
Também tem levado o nome de S. Torcato e até de Portugal a diversos pontos do Globo. Destas deslocações contam-se países como Espanha, França, Suíça, Inglaterra, Áustria, União Soviética, Palma de Maiorca, Marrocos, Estónia, Estados Unidos da América, Principado do Mónaco e Brasil, nos estados de Rio de Janeiro, S. Paulo e Rio Grande do Sul.
Fez diversas actuações e gravações na televisão, quer em Portugal quer no estrangeiro. Em Portugal as últimas foram para a “Praça da Alegria”, “Portugal Português”, “Olá Portugal” e “Árvore das Patacas”.
Em 1997 foi distinguido pela Câmara Municipal de Guimarães com a Medalha de Mérito Associativo em Prata, por ser a colectividade mais representativa do Concelho.
Em 1998 representou Guimarães e o Baixo Minho na Expo98.
Realiza anualmente desde 1998 no mês de Outubro em S. Torcato a Festa das Colheitas, á qual já ocorrem milhares de pessoas.
Presidente Câmara Municipal V. N. Gaia (Dr. Eduardo Rodrigues)
O peso das nossas tradições

A tradição faz parte da alma de qualquer comunidade. É parte do seu ADN. É algo intrínseco, transmissível de geração em geração e que é premente revitalizar e preservar. Vila Nova de Gaia é, por um lado, uma cidade do Mundo, aberta à inovação e que tem procurado ser vanguardista na sua forma de atuação. Mas é, por outro lado, uma cidade que vive do seu passado, das suas memórias e das suas preciosas tradições.
Importa destacar que, para que este trabalho tenha sucesso, tem sido imprescindível o apoio das instituições locais, que têm procurado, todos os dias, não deixar morrer costumes e hábitos que continuam a fazer todo o sentido. O Festival de Folclore de Arcozelo tem sido exemplo disso mesmo. Tendo na sua identidade uma inevitável característica intercultural, este festival tem sabido aproximar tradições de várias regiões, levando o nosso nome bem longe.
Vila Nova de Gaia, com uma riqueza etnográfica ímpar, é uma terra de tradições e este festival tem sabido deixar marcas indeléveis no calendário de eventos desta natureza no concelho.
Vice Presidente Câmara Municipal V. N. Gaia (Engº Patrocínio Azevedo)
A Associação Juvenil Etno Folclorica "As Lavraderias de Arcozelo" representa a união do passado com o presente através da pesquisa, recolha e divulgação dos costumes, trajes e cantares de cada região.
Ao longo dos mais de 20 anos, "As Lavradeiras de Arcozelo" tem elevado o nome e os costumes de Arcozelo e de Vila Nova de Gaia além-fronteiras através das suas inúmeras participações internacionais
O Festival de Folclore de Arcozelo, organizado pela Associação Juvenil Etno-Folclórica "As Lavradeiras de Arcozeo", é um dos mais sublimes eventos folclóricos e de reconhecida importância no panorama cultural e etnográfico do Concelho.
Pelo que, só poderei fazer votos de que este Festival se eternize na memória de todos aqueles que o organizam e nele participam
Presidente da Junta Freguesia de Arcozelo (Drª Maria Adelina Pereira)
Folclore é o saber tradicional de um povo. Com o passar dos tempos, o folclore é a cultura nascida das classes populares e passa a ter o estatuto de história não escrita de um povo.
Os grupos folclóricos surgem para preservar toda esta cultura e tornam-se os fiéis depositários de todo aquele espólio de usos e costumes que se gera à volta do mundo rural.
As Lavradeiras de Sta Maria Adelaide de Arcozelo são um desses grupos que, ao longo dos tempos, tem sabido divulgar e recriar os momentos de convívio e alegria nas festas e Romarias Populares da nossa Terra. São um grupo folclórico que tem levado o nome de Arcozelo aquém e além fronteiras, bem como os nossos costumes e tradições. Como membro desta comunidade quero realçar o contributo que esta Associação tem dado na divulgação de Arcozelo e suas Gentes.
O grupo folclórico As Lavradeiras vai realizar o seu Festival anual em Arcozelo. É um momento para recordar os tempos do passado e apreciar os grupos doutras regiões que vêm partilhar e dar a conhecer a sua região. Será, com certeza, uma troca de saberes bem importante para todos os que comungam este espírito de comunidade.
Parabéns às Lavradeiras por mais este Festival. Que seja um bom momento de alegria, de aproximação e de encontro dos Arcozelenses e de todos aqueles que gostam destas manifestações culturais.
E…como diria Pedro Homem de Mello: “Assim, se canta e dança em Arcozelo!”
Presidente da Direcção As Lavradeiras de Arcozelo (Dr. Marcelino Santos)
Festival de Folclore
Dia grande, dia de Festa, dia de exaltação, e de alegria.
Dia de receber os seus convidados, de confraternização e de mostrar a sua música, os seus cantares e as suas danças. Mostrar as suas músicas harmônicas e melodiosas, os seus cantares e danças ancestrais. Dia de reavivar a mente para o nosso Passado, para divulgar essa temática que os nossos Avós nos transmitiram. Dia para venerar a sua protectora e Padroeira, Maria José de Sousa Gama, a "Santinha Maria Adelaide". Também um dia de reflexão para o lançamento do Futuro, alicerçado nesta presente realidade, do nosso Grupo "As Lavradeiras". Dia de lembrança também para o "Zeca", o inconfundível violinista, o Emérito fundador das Lavradeiras que certamente irá estar presente para assistir e deliciar-se com mais uma magnífica noite de Folclore em Arcozelo.
As Lavradeiras de Sta Maria Adelaide souberam escolher um Grupo de Convidados, de sobejo renome e qualidade Cultural bem representativos dos valores mais genuínos das suas regiões.
Na qualidade de Anfitriões, preparamo-nos para dignificar a nossa Terra "Arcus Cellus" tentando receber com qualidade os nossos convidados. Esperamos que este certame seja uma festa da União entre todos aqueles elementos que sentem honra e prazer em vestir os trajes das Lavradeiras.
Grupo Etnográfico e Folclórico que inevitavelmente irá ficar com o seu Nome perpetuado na História Cultural da Sua Terra, Arcozelo, V. N. Gaia.
Apoios
Câmara Municipal de V. N. Gaia
Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de V. N. Gaia
Junta de Freguesia de Arcozelo
Bombeiros Voluntários da Aguda
GNR (Guarda Nacional Republicana) de Arcozelo
Agradecimentos
Câmara Municipal de V. N. Gaia
Junta de Freguesia de Arcozelo
Bombeiros Voluntários da Aguda
Ao comando da GNR de Arcozelo
A todos os Patrocinadores
A todos os Membros, Sócios, Amigos e Simpatizantes do Grupo